Lista dos clubes amadores da Baixada Santista
 
 
Santos é tri da Libertadores  
Duelo entre Neymar e Messi  
Muricy mereceu o título  
Neymar faz história na Vila  
Neymar e Ganso até 2015  
Ver todas as notícias  
 
Renan Prates Renan Prates
Timão, na moral
 
Pepe

José Macia Pepe
Bombas de alegria

 

 
Ednilson Valia Ednilson Valia
Amor corintiano
 

Gustavo Grohmann

Gustavo Grohmann
Messi na Copa
 
global Coluna do Leitor
Homenagem ao Pelé
 
     
 
 
Ver todos os colaboradores
  Gigi

Carlos Alberto Mano Prieto - ( Gigi)

contato: carlosprieto@giginarede.com.br

   
Dá-lhe, Porco !
 

ronaldo gaucho

 

Como é bom assistir uma partida desatrelada dos interesses “escusos”, com perseverança, vontade (me recuso a usar o termo “garra” só para não me lembrar de Los Hermanos) e obter um resultado satisfatório.

Sou Santista até debaixo d’água, não nego, mas nunca um time de futebol da minha região mexeu tanto comigo quanto o Palmeiras, nessas duas últimas partidas disputadas pela Copa Libertadores.

Primeiro contra os “brucutus” do time do Tigres, onde apanharam no tapa, mas galhardamente se saíram vencedores na bola. Afinal, quando “Los Hermanos” irão entender que ser macho não é bater, e sim, ser vencedor.

Capítulo este que já versei por diversas vezes sobre a ótica dos árbitros com relação à disputa desse torneio.

Até o Santos nos áureos tempos, vítima que foi das pancadarias de uruguaios e argentinos, desistiu da competição, não só por isso como também pelo aspecto financeiro que era aquela época dos piores.

Existiu um lance que definiu bem este enfoque da braveza que é muito comum nesta copa, com conluio pleno da arbitragem, o qual está expresso na foto que ilustra essa matéria. Foi uma entrada maldosa e bem caracterizada do defensor do Arsenal, da Argentina, contra o Ronaldinho Gaúcho, do Atlético Mineiro, e que sequer resultou no cartão amarelo.

Poder-se-ía utilizá-la a contento como prova contundente e providências tomadas para repreensão definitiva de tal atitude. Mas, infelizmente, passou em branco e a impunidade é mais uma vez vencedora.

Quanto ao título desta crônica, embora hoje seja reconhecido pela grande maioria, não posso me negar o direito de chamá-los, relembrando os velhos tempos, em que “Quando surge o Alviverde imponente”... de gloriosos PERIQUITOS.


Abraços do Gigi

Clique aqui para visualizar todas as crônicas
www.giginarede.com.br - Todos os direitos reservados © 2009