Lista dos clubes amadores da Baixada Santista
 
 
Santos é tri da Libertadores  
Duelo entre Neymar e Messi  
Muricy mereceu o título  
Neymar faz história na Vila  
Neymar e Ganso até 2015  
Ver todas as notícias  
 
Renan Prates Renan Prates
Timão, na moral
 
Pepe

José Macia Pepe
Bombas de alegria

 

 
Ednilson Valia Ednilson Valia
Amor corintiano
 

Gustavo Grohmann

Gustavo Grohmann
Messi na Copa
 
global Coluna do Leitor
Homenagem ao Pelé
 
     
 
 
Ver todos os colaboradores
  Gigi

Carlos Alberto Mano Prieto - ( Gigi)

contato: carlosprieto@giginarede.com.br

   
Mamãe eu quero...
   
chupeta

Fim de temporada, breve descanso, e logo a retomada deste calendário que precisa ser revisto e replanejado.  Meu amigo Amílcar Ferrão Pinto, embora literato, me alertou sobre este tema e também me envergonhou mostrando-se mais conhecedor de futebol do que eu mesmo. Não sei se talvez o calendário europeu seja o ideal, haja vista ao seu final se chocar com o desgaste em época de Copa do Mundo.

  O nosso calendário, pelos campeonatos regionais e pelas demais copas, está totalmente sob critério destituído de lógica, provavelmente no interesse político de cada Estado. Ironizando este fato cabe perfeitamente o refrão da marcha de Jararaca e Vicente Paiva ”mamãe eu quero mamar”.

Necessitamos, portanto, estudar uma forma melhor quanto à escolha daqueles que disputarão as respectivas copas sem atendimento a “choradeira” das federações. Por exemplo, o time do Barueri com boa participação no Brasileirão, sequer irá disputar a Copa do Brasil e assim por diante. Outro absurdo: os clubes melhores classificados no Campeonato Nacional, disputantes da Libertadores, estão fora da Copa Brasil, esvaziando o certame.

Os torneios brasileiros de segunda e terceira divisão são de fazer dó aos times pequenos e pobres. Viagens absurdas sob condições às vezes sub-humanas, no intuito de preservar um sonho de alcançar uma divisão melhor, e na sua individualidade poder resplandecer na aurora do futebol nacional. Abrindo um parêntese sobre este fato, me fez  lembrar de quando viajava pelo amador da Burrinha, sob a direção do carismático Papa, e o que nos alimentava era um sanduíche de mortadela acompanhado de uma banana. Refrigerante, nem pensar!

Um tema que se torna preocupante e alimenta o pensamento acima é o mercado super inflacionado de atletas e dirigentes. Isto tudo porque os chamados times grandes, no anseio de se manterem no topo, “topam qualquer parada”, chegando a pagar verdadeiras fortunas a quem sequer vale um níquel, tornando-se, assim, um  estopim da corrupção e da inflação.

Tudo, na verdade, é falta de bom senso dos mandatários neste mundo louco onde só o dinheiro é quem manda. Portanto, sob a égide da ganância, muitos valores são renegados, principalmente o do caráter. Com isso as vedetes do mundo da bola deitam e rolam em suas “manias”.

Um caso interessante e que talvez sirva de reflexão foi exatamente o acontecido neste último campeonato brasileiro, onde o técnico Andrade, do clube campeão, o Flamengo, e também outro que poderia ter sido, o Jorginho do Palmeiras, ambos com salários irrisórios na função de técnicos interinos.

Outro parâmetro foi o destaque de dois clubes no campeonato brasileiro, o Barueri e o Avaí, considerados pequenos em nível de Brasileirão, com um folha de pagamento ínfima, mas que suplantaram muitos times considerados grandes.

Abraços do Gigi

Clique aqui para visualizar todas as crônicas
www.giginarede.com.br - Todos os direitos reservados © 2009