Lista dos clubes amadores da Baixada Santista
 
 
Santos é tri da Libertadores  
Duelo entre Neymar e Messi  
Muricy mereceu o título  
Neymar faz história na Vila  
Neymar e Ganso até 2015  
Ver todas as notícias  
 
Renan Prates Renan Prates
Timão, na moral
 
Pepe

José Macia Pepe
Bombas de alegria

 

 
Ednilson Valia Ednilson Valia
Amor corintiano
 

Gustavo Grohmann

Gustavo Grohmann
Messi na Copa
 
global Coluna do Leitor
Homenagem ao Pelé
 
     
 
 
Ver todos os colaboradores
  Gigi

Carlos Alberto Mano Prieto - ( Gigi)

contato: carlosprieto@giginarede.com.br

   
Mens sana in corpore sano
 

cabecinha

A situação agrava-se, cada vez mais, e não vejo nenhuma instituição que rege o nosso futebol tomar qualquer providência.

A necessidade premente de um trabalho de conscientização terá que ser regida pela força de um movimento que poderia chamar-se de “MORALIDADE JÁ”.

Essa desordem de conduta por parte de dirigentes, jogadores e torcedores criou uma nova ordem de reféns. Os diretores por inabilidade acabam sendo reféns não só dos jogadores considerados semideuses, como também, absurdamente, dos chefes de torcida que os intimidam a toda hora. E, finalmente, as maiores vítimas acabam sendo sempre os treinadores.

Quanto a esses considerados verdadeiros nababos da bola, é que se deve fazer uma reflexão melhor. Isto porque, assoberbados de obrigações, deveres e também da manutenção de seu status, acabam como reféns de si mesmos diante de tanta pressão e opinião das mais diversas origens como, imprensa, empresários, família, e no caso mais recente de Neymar, onde toda a nação opinou a respeito de sua vida.

Vejam o grau de complexidade que se firmou. Acho que até mesmo os profissionais da área, como psicólogos e orientadores, devem estar encucados com esse novo comportamento.

O grande problema é a lentidão dos clubes para se transformarem em empresas e agir como autênticos profissionais. E, por não atuarem desta forma, acabam sentindo muito mais.

Pelo menos levantamos a lebre de que algo deve ser feito para haver equilíbrio entre as partes envolvidas – Clube, Jogador e Torcedor.

Alguns poderão questionar tentando trazer à baila o exemplo dos atletas do passado. Mas, não há meios de comparação, tendo em vista a evolução da parte física sobrepujando a técnica. Hoje, com o advento do futebol força, o RESGUARDO (palavra chave do trabalho de conscientização) para alcançar um condicionamento físico adequado é muito maior, e é para isso que chamamos a atenção.

Haveria, de fato, muitas pautas para descrever com mais profundidade sobre o problema em questão. Trazer para discussão coisas que realmente interferem no juízo desses nababos da bola.

A grande realidade é que não conseguimos enxergar o jogador de futebol como um atleta nato, cuja maior preocupação do mercado é expô-lo como um produto associado ao consumo. Portanto, dada a precocidade com que lhes são exigidas as responsabilidades, se estes ainda não têm a mente sã, poderiam preocupar-se ao menos em buscar o corpo são.

Abraços do Gigi

  Clique aqui para visualizar todas as crônicas
www.giginarede.com.br - Todos os direitos reservados © 2009