Lista dos clubes amadores da Baixada Santista
 
 
Santos é tri da Libertadores  
Duelo entre Neymar e Messi  
Muricy mereceu o título  
Neymar faz história na Vila  
Neymar e Ganso até 2015  
Ver todas as notícias  
 
Renan Prates Renan Prates
Timão, na moral
 
Pepe

José Macia Pepe
Bombas de alegria

 

 
Ednilson Valia Ednilson Valia
Amor corintiano
 

Gustavo Grohmann

Gustavo Grohmann
Messi na Copa
 
global Coluna do Leitor
Homenagem ao Pelé
 
     
 
 
Ver todos os colaboradores
  Gigi

Carlos Alberto Mano Prieto - ( Gigi)

contato: carlosprieto@giginarede.com.br

   
O preço da covardia
 

burrico

 

Tentar argumentar sobre regimes políticos é adentrar um campo que expõe a utopia em contrapartida à realidade.

Portanto, não vou me ater à busca de citações, mesmo porque não quero me alongar e apenas expor o meu pensamento a respeito.

Nenhum regime se impõe pela, usando uma expressão mais adequada, “camaradagem” em contraposição ao termo “camarada” utilizado pelas vozes sufocantes de um comunismo já decaído e consiga obter sucesso.

Sou também adepto de um regime que torne de forma igualitária a convivência entre seres viventes, tanto racionais quanto irracionais, mas, infelizmente, o “bicho homem” se deixa levar facilmente pela ganância, trazendo conseqüências funestas no convívio em sociedade.

Pelo pouco que sei de toda a história da humanidade, não tenho um conhecimento sequer de que a implantação de um “novo” regime político não tenha acontecido através da força e da tirania subjugando a todos a um sistema ditatorial.

Outros, que se impôs sob conchavos políticos pouco fizeram, como no caso de alguns países sul-americanos, que no intuito de implantarem um populismo exacerbado e alguns “desestatisados”, tentam a “todo custo” sua sobrevivência.

Aqui no Brasil, também enquadrado nesse conceito populista, não consegue mais se projetar com destaque perante o mundo financeiro na busca incessante de investidores, tendo em vista, além de atender e distribuir privilégios aos seus apadrinhados, se preocupar com a classe menos favorecida dando atenção mais a “pretensa” fome do que a educação.

Finalmente, tivessem eles tido em sua frente de combate uns “Lamarcas” da vida e a coragem de “virar a mesa”, com certeza, hoje estaríamos “Cubanizados” e felizes da vida usando nossos velhos fusquinhas, mas, no entanto, com um serviço de atendimento pelo Estado de boa a razoável excelência em filas de hospital e com boa presença nas Olimpíadas.

Em suma, assunto prá lá de Marrakesch.

Para encerrar, como dizia Fernando Pessoa: "O homem não sabe mais que os outros animais; sabe menos. Eles sabem o que precisam saber. Nós não. "

Abraços do Gigi

Clique aqui para visualizar todas as crônicas
www.giginarede.com.br - Todos os direitos reservados © 2009