Lista dos clubes amadores da Baixada Santista
 
 
Santos é tri da Libertadores  
Duelo entre Neymar e Messi  
Muricy mereceu o título  
Neymar faz história na Vila  
Neymar e Ganso até 2015  
Ver todas as notícias  
 
Renan Prates Renan Prates
Timão, na moral
 
Pepe

José Macia Pepe
Bombas de alegria

 

 
Ednilson Valia Ednilson Valia
Amor corintiano
 

Gustavo Grohmann

Gustavo Grohmann
Messi na Copa
 
global Coluna do Leitor
Homenagem ao Pelé
 
     
 
 
Ver todos os colaboradores
  Gigi

Carlos Alberto Mano Prieto - ( Gigi)

contato: carlosprieto@giginarede.com.br

   

O quanto é dificil ser profissional de futebol

   

campo de concentração

Este é um assunto que requer um estudo muito apurado em face de sua complexidade. Partindo-se de uma premissa: “Paga-se bem, exige-se o melhor” é o que os clubes de futebol cobram de seus atletas exigindo uma conduta disciplinar super rigorosa.  

No entanto, para tentar compreender melhor o elucidado vou dar conhecimento da rotina de um jogador de futebol nos dias de hoje:

Jogo no domingo, reapresentação na 2ª. feira às 15,30h, concentração 22,30h ; 3ª. feira, treino às 9h, retorno concentração as 13,30h; Jogo na 4ª feira às 21,50; 5ª. feira reapresentação às 15h; 6ª. feira treino às 9h e concentração logo após o término, entremeio viagem ou não para o jogo do próximo domingo.  

Portanto, em suma, o horário de expediente para atender as suas necessidades pessoais, como qualquer outro cidadão, está restrito às  2ªs. e 5ªs. feiras na parte da manhã, sendo que ainda neste pequeno espaço de tempo tem que atender a “infiel” mídia que em certa hora o torna um expoente, e quando deixa de ser manchete busca, na função de paparazzi, fatos da vida pessoal no intuito de criar sensacionalismo, se portando como uma autêntica “imprensa marrom”.

Veja o acontecido com o jogador Paulo Henrique Ganso onde toda a mídia numa atitude infame e desrespeitosa invadiu sua privacidade e divulgou fatos contra sua própria vontade, dos quais me nego peremptoriamente  reproduzi-los.   

Notem, portanto, o quanto é difícil para um garoto de 18 anos com toda vitalidade que lhe é peculiar se submeter a um regime de concentração. Aliás, palavra essa que deveria ser eliminada do nosso dicionário pelo o que nos lembra de um passado sombrio e não muito distante, o da 2ª Guerra Mundial ,quando os alemães criaram os campos de concentração para extermínio de um povo.

Além do que, não nos esqueçamos, disputam sob pressão, e em razão do seu grato desempenho, não resta dúvida alguma o quanto é desgastante a sua atividade sob esse regime. Portanto, o porquê da dificuldade de ser rude com os meninos no seu mínimo tempo de ressaca ou de resguardo.

Outro ponto importante a ser considerado é o fato de muitos jogadores que embora com espírito desportivo e habilidade não se associam a imagem de um atleta responsável pelo quanto é difícil encarar aquela disciplina. Talvez tenha sido este o motivo pelo qual o jogador Adriano fez o que fez.

Sei que muitos retrucarão fazendo parâmetro com o mercado de trabalho comum, sobre o fato de que eles ganham verdadeiras fortunas e o que fazem nada mais é do que cumprir com suas obrigações seja sacrificante ou não.

Portanto, para se fazer um pré-julgamento, deve-se levar em consideração o regime de concentração, a tabela cheia, o árduo condicionamento físico, além do assédio insano da mídia sobre os jogadores que acaba gerando atritos e fomentando provocações entre os disputantes.

Abraços do Gigi

  Clique aqui para visualizar todas as crônicas
www.giginarede.com.br - Todos os direitos reservados © 2009