Lista dos clubes amadores da Baixada Santista
 
 
Santos é tri da Libertadores  
Duelo entre Neymar e Messi  
Muricy mereceu o título  
Neymar faz história na Vila  
Neymar e Ganso até 2015  
Ver todas as notícias  
 
Renan Prates Renan Prates
Timão, na moral
 
Pepe

José Macia Pepe
Bombas de alegria

 

 
Ednilson Valia Ednilson Valia
Amor corintiano
 

Gustavo Grohmann

Gustavo Grohmann
Messi na Copa
 
global Coluna do Leitor
Homenagem ao Pelé
 
     
 
 
Ver todos os colaboradores
  Gigi

Carlos Alberto Mano Prieto - ( Gigi)

contato: carlosprieto@giginarede.com.br

   
Preciosismo
 

Neymar

 

Existe, como regra na vida, o momento exato em que devemos ter plena consciência não só do dever cumprido daquilo que foi feito, mas também o tempo de definir  metas e programas para o futuro.

Portanto, equilíbrio e razão deverá ser aposto em sua conduta. Se ainda imaturo, aqueles que o cercam terão que fazer este papel, assim como seus progenitores, educadores, enfim uma gama de pessoas do seu convívio que o amam.

É sempre bom elucidar sobre a referência a ser dita, como esta a que me proponho no caso da atitude que vem tendo o menino Neyma,r do Santos Futebol Clube, dentro de sua irreverência, por vezes exagerada, e até provocativa na maneira de jogar. Quanto a sua postura extra-campo não há relevância a se destacar, apenas faço crítica à própria mídia na conveniência de polemizar, querendo imputar ao seu caráter a condição de Don Corleone, como o grande chefão do time.

Por essa sua performance debochada dentro de campo, e como para tudo na vida existe limites de tolerância, o porquê vem sendo cassado a cada partida.

Não resta a menor dúvida que um futuro brilhante desponta em sua carreira, mas o sucesso pleno só virá se ficar atento aos ensinamentos daqueles que o cercam.

Não sou contra a sua maneira irreverente de jogar e sim na sua resposta debochada quando da truculência de seus adversários, colocando assim em risco esse tão promissor e almejado futuro.

Um ditame clássico sobre essa situação está contida no fato de que dói mais uma palavra ofensiva do que um ato truculento, ou ainda atento a uma máxima religiosa onde: dê a outra face para bater, ou melhor, no seu caso... a outra perna. Portanto a sua resposta esta contida no resultado prático, que é ignorar tal procedimento e fazer o bom jogo e conseqüentemente o gol. Assim como Pelé o fazia. Quanto mais batiam nele, mais gols ele fazia.

Finalmente, como já havia dito na última crônica “$antos Futebol Clube” em que rogava pela excelência da prática e não a humilhação de seus oponentes, primando assim pela eficiência deixando de lado esse pernicioso preciosismo.

Abraços do Gigi

Clique aqui para visualizar todas as crônicas
www.giginarede.com.br - Todos os direitos reservados © 2009