Lista dos clubes amadores da Baixada Santista
 
 
Santos é tri da Libertadores  
Duelo entre Neymar e Messi  
Muricy mereceu o título  
Neymar faz história na Vila  
Neymar e Ganso até 2015  
Ver todas as notícias  
 
Renan Prates Renan Prates
Timão, na moral
 
Pepe

José Macia Pepe
Bombas de alegria

 

 
Ednilson Valia Ednilson Valia
Amor corintiano
 

Gustavo Grohmann

Gustavo Grohmann
Messi na Copa
 
global Coluna do Leitor
Homenagem ao Pelé
 
     
 
 
Ver todos os colaboradores
  Gigi

Carlos Alberto Mano Prieto - ( Gigi)

contato: carlosprieto@giginarede.com.br

   

Seleção de marionetes

   
Dunga e seus marionetes (montagem)

Dunga, me parece, conseguiu fechar um grupo de subservientes ao seu propósito. Pelo  sistema de trabalho aplicado, realmente fica difícil convencê-lo, a esta altura do campeonato, dos limites de certos jogadores como: Elano, Julio Batista, Felipe Melo, Josué, Kleberson, sendo que no momento despontam jogadores muito mais gabaritados do que esses.

Mas, respeitemos a soberba do Dunga com relação a eles, pois são obedientes à sua ordem, assim como dizemos na gíria futebolística: “eles comem grama” e seguem à risca o seu comando. No entanto, nossa seleção aposta todas as fichas em Kaká que sem dúvida é um jogador de potencial qualificado, porém com uma performance de conduta definida, no chamado arranque.

 

Todavia, acredito que os boleiros e os entendidos da imprensa estejam preocupados com a falta daquele jogador diferenciado, do qual sempre dispusemos em copas passadas como foi o caso de Pelé, Garrincha, Zico, Sócrates, Romário, Ronaldo Fenômeno, e agora botam fé apenas em Robinho, que ainda se recupera e se recicla do seu comportamento. Portanto, iremos para essa copa com o dois únicos jogadores que poderão fazer a diferença, embora ambos apresentem problemas distintos como a púbis do Kaká e a falta de identidade do Robinho.

O resto do elenco, fazendo um julgamento de forma jocosa, parece mais um jogo de Pebolim, fixos à vontade de seu mandante.

Outros treinadores, no passado, conseguiram o sucesso usufruindo desse mesmo sistema que é calcado na disciplina e na confiança nos jogadores. Isto me faz lembrar da Copa de 70 quando conquistamos o Tri em que teve no seu banco de reservas jogadores extremamente habilidosos e até muito superiores tecnicamente aos titulares, e que, no entanto, não inspiravam confiança do treinador, que foram: Marco Antonio, Joel Camargo, Paulo Cezar Caju e Jonas Eduardo – Edu.

Sob a ótica da disciplina, não poderemos contestar, porque está embasada naquilo que norteia toda e qualquer atividade na conduta da vida. Se olharmos por este prisma, fica difícil entender a situação de um Adriano e o preterido Ronaldinho Gaúcho.

Eu, se fosse o Dunga, já que não abre mão de sua teimosia em não levar o Ronaldinho Gaúcho, me despiria de seu manto e tentaria levar aquele jogador faltante no elenco que é o armador, como: Hernandes, Diego, e porque não Paulo Henrique, o Ganso, que surpreende a cada jogo.

Não gostaria de terminar desta forma, mas como aqui tudo acontece, seria oportuno fazer uma  pergunta: “será que existe alguma coisa, nesse bastidores, que não sabemos?”

Abraços do Gigi

Clique aqui para visualizar todas as crônicas
www.giginarede.com.br - Todos os direitos reservados © 2009