Lista dos clubes amadores da Baixada Santista
 
 
Santos é tri da Libertadores  
Duelo entre Neymar e Messi  
Muricy mereceu o título  
Neymar faz história na Vila  
Neymar e Ganso até 2015  
Ver todas as notícias  
 
Renan Prates Renan Prates
Timão, na moral
 
Pepe

José Macia Pepe
Bombas de alegria

 

 
Ednilson Valia Ednilson Valia
Amor corintiano
 

Gustavo Grohmann

Gustavo Grohmann
Messi na Copa
 
global Coluna do Leitor
Homenagem ao Pelé
 
     
 
 
Ver todos os colaboradores
  Gigi

Carlos Alberto Mano Prieto - ( Gigi)

contato: carlosprieto@giginarede.com.br

   
Uma final européia
   
duvida

Estranho, coincidência ou não, uma final européia entre duas seleções que nunca foram campeãs.

Qual entendido de bola não afirmou com toda convicção que a Alemanha seria imbatível pelo o que ela estava jogando, tanto que diziam ao bom som de que estava havendo uma inversão na forma de atuar: eles jogando à la sul americanos, e nós brasileiros à la europeu.

Mas, infelizmente eles voltaram às origens e aplicaram uma formação bisonha e exageradamente defensiva contra a Espanha, que inegavelmente mostrou nesta copa ser a seleção com o melhor conjunto.

 

No entanto, segundo meu amigo Cabeção, agora quem volta às origens sou eu na minha desconfiança de anta. A Holanda tenta pela quarta vez a conquista do seu primeiro título mundial... Será? A Espanha, quem sabe,  já teve o seu mérito de chegar pela primeira vez em uma final.

O árbitro escolhido foi o inglês Howard Webb considerado um dos melhores do mundo, e é aí que a porca torce o rabo, pois vem de encontro com a minha teoria de que quanto melhor o árbitro mais poder tem de manipulação e condução de uma partida ao seu bel prazer. Vamos ter que ver para crer.

Portanto, dúvida é o que não falta:
- Por que a Alemanha jogou contra a Espanha totalmente diferente do que vinha jogando?
- Por que o Brasil entrou apático e acovardado no segundo tempo contra a Holanda?
- Por que as grandes vedetes desta copa não honraram a sua presença, e sequer se empenharam para tal.

Enfim, outras dúvidas aconteceram e que me deixaram encafifado, a tal ponto de obedecer a uma clássica jurídica: in dubio pro reo.

Abraços do Gigi

Clique aqui para visualizar todas as crônicas
www.giginarede.com.br - Todos os direitos reservados © 2009