Lista dos clubes amadores da Baixada Santista
  coluna do leitor
 
Santos é tri da Libertadores  
Duelo entre Neymar e Messi  
Muricy mereceu o título  
Neymar faz história na Vila  
Neymar e Ganso até 2015  
Ver todas as notícias  
 
Renan Prates Renan Prates
Timão, na moral
 
Pepe

José Macia Pepe
Bombas de alegria

 

 
Ednilson Valia Ednilson Valia
Amor corintiano
 

Gustavo Grohmann

Gustavo Grohmann
Messi na Copa
 
global Coluna do Leitor
Homenagem ao Pelé
 
     
 
 
Ver todos os colaboradores
  globo

Com este espaço democrático queremos proporcionar uma maior interatividade com os nossos leitores para que possam compartilhar suas idéias, opiniões e pensamentos. As matérias enviadas não contarão com revisões ortográficas e nos reservamos ao direito de publicá-las ou não. Não aceitaremos material com conteúdo ofensivo.


Envie seu texto identificado para: carlosprieto@giginarede.com.br


  Convocados de Dunga
 
Arquivos

Convocados...
Sobre a Copa 2010
Confraria FIFA
Museu Pelé
Copa 2010
Goleiro Laércio
Governo do futebol
Holanda e Espanha
Despreparo cultural
Rei Pelé
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Fico assustado com os comentários da maioria dos brasileiros, sobre a lista de convocados do Técnico Dunga. Não são simples análises das qualidades técnicas dos escolhidos, em comparação aos “esquecidos” – ou desprezados. São “análises” definitivas, que chegam ao ponto de ferir o caráter e a moral do profissional, que, quer queiram ou não, já deu alegrias – e decepções – aos amantes do esporte das multidões e tem mostrado coerência.

O maior tema para sustentar a opinião dos críticos é a “falta de visão de jogo” do treinador, pasmem, pelo fato de não ter “trocado”, alguns dos escolhidos pelo Neymar e pelo “Ganso”, antes mesmo do jogo começar. Comparam a situação com a convocação do Pelé, para a Copa do Mundo de 1958, quando fomos campeões pela primeira vez, como se a idade fosse o tempero maior para o desempenho do futebol.

Não nego apesar de ser “são paulino”, que esses meninos do Santos deixam boquiabertos todos os que gostam do futebol arte, bem jogado e alegre.

Qualquer ponto de análise de comparação com PELÉ deve ser muito bem considerado, pois ele foi o melhor, o extraordinário, ente sem comparação.

Circunstâncias precisam ser levadas em conta. Em 1958, vínhamos de uma derrota na final para o Uruguai, em 1950, e uma eliminação nas quartas de final, para a Hungria, lembram.

Chegamos à Copa de 1958, jogando apenas dois jogos, na classificatória, contra o Peru. Empatamos um (0x0) e ganhamos o outro por 1x0, só. Ninguém sem sombra de dúvida – hoje todos já sabiam – poderia dizer que Brasil seria o Campeão.

Pois bem, fomos os melhores e o Pelé foi a grande, alegre e surpreendente revelação do torneio. E se tivéssemos perdido o título? Quem seria o Pelé?

Na época, não havia patrocínio, não havia suporte financeiro, não havia nada, em relação ao que hoje é colocado à disposição dos atletas. Nem televisão havia. Até a assistência à saúde dos atletas era precária.

Mas, meus amigos, o que havia dava o gostinho especial ao esporte. Havia o respeito à Pátria, o amor à camisa, a vontade de vencer para mostrar a pujança do Povo Brasileiro.


Gilberto Franco Silva Júnior – advogado.
OAB/SP n.º 29.637
Rua Braz Cubas, n.º 84 – Vila Nova – Santos, SP.
Tel. (13).3221.8295.

 
www.giginarede.com.br - Todos os direitos reservados © 2009