Lista dos clubes amadores da Baixada Santista
 
 
Santos é tri da Libertadores  
Duelo entre Neymar e Messi  
Muricy mereceu o título  
Neymar faz história na Vila  
Neymar e Ganso até 2015  
Ver todas as notícias  
 
Renan Prates Renan Prates
Timão, na moral
 
Pepe

José Macia Pepe
Bombas de alegria

 

 
Ednilson Valia Ednilson Valia
Amor corintiano
 

Gustavo Grohmann

Gustavo Grohmann
Messi na Copa
 
global Coluna do Leitor
Homenagem ao Pelé
 
     
 
 
Ver todos os colaboradores
  Gigi

Carlos Alberto Mano Prieto - ( Gigi)

contato: carlosprieto@giginarede.com.br

   
100 anos de glória
 

centenario do SFC

 

Éramos três irmãos que iniciávamos, ou melhor, debutávamos  para o mundo do futebol. Isso em meados dos anos 50, exatamente no início da era Santos Futebol Clube e, logo em seguida, com o aparecimento de sua majestade, o Rei  Pelé.

Além de ter vivido no auge de minha juventude os chamados “Anos Dourados”, a que se referiam os anos 60, onde quase tudo se transformou e aconteceu, é que me sinto não só privilegiado como também realizado naquilo tudo que vi.

Por sorte eu e meu irmão Cordovil, o mais velho, seguimos a orientação de nosso pai e escolhemos o time que era de sua predileção – o Santos F.C. Conquanto, por infortúnio, o meu irmão mais novo Cláudio, temperamental e rabugento, havia escolhido o E.C. Corinthians Paulista, devido ter o mesmo nome de um ídolo corintiano que formou esta linha famosa na conquista do centenário da cidade de São Paulo, em 1954: Claudio, Luizinho, Baltazar, Rafael e Simão.  Digo azar, não no sentido de gozação, mas sim pelo fato de na época de seus quinze até os trinta anos, ou seja, toda sua juventude ter tido a sina de ver Pelé & Cia, não apenas ficar invencível contra o seu time, mas também ter o mundo aos seus pés.

Na verdade, o Santos F.C. é apenas trinta anos mais velho do que eu. Hoje, aos setenta anos, só não vi, obviamente, por ter nascido em 1942, o campeonato de 1935 onde se tornou campeão pela primeira vez. Mas, através de relatos dos que lá estiveram e do convívio que tive até  poucos meses atrás com Mario Pereira, tive na minha imaginação a maravilha do que deve ter sido aquela linha memorável de 1929 composta por: Siriri, Camarão, Feitiço, Araken e Evangelista, ou ainda a linha campeã de 1935: Saci, Mário Pereira, Raul, Araken Patusca e Junqueirinha.

No mais, quase tudo eu vi.

Dos cartolas, de Athiê Jorge Curi até o presidente atual Luiz Álvaro, e de jogadores do mago Antoninho Fernandes até aquele que hoje faz de novo surgir a esperança de revivermos, ou melhor, enriquecermos nossa galeria de ídolos – Neymar.

Outra forma de regozijo é o fato de ter visto nascer muitas estrelas do nosso futebol, como: Pagão, Vasconcelos, Antoninho, Formiga, Hélvio, Ramiro, Álvaro, Del Vécchio, Urubatão, Zito, Pepe, Lima, Coutinho, Mengálvio, Dorval, Pita, Manoel Maria, Edu. Giovani, Pelé, e outros tantos já consagrados que vieram compor esquadrões invejáveis como: Negri, Jair da Rosa Pinto, Gilmar, Tite, Carlos Alberto,  Aílton Lira, Ramos Delgado,  Sérginho Chulapa

E, também, a cada década ter revelado a estrela com brilho maior- Pelé, Robinho e agora Neymar.

Muitos outros bons jogadores passaram e se identificaram com o clube, contribuindo sobremaneira nas inúmeras e grandes conquistas.

O que posso mais querer a não ser me sentir plenamente realizado, embora me arvore no direito, de acordo com a ciência moderna, de  também viver a ascensão desse menino, e quiçá, seguir até o meu centenário este predestinado formador de ídolos – SANTOS FUTEBOL CLUBE.  

Abraços do Gigi

Clique aqui para visualizar todas as crônicas
www.giginarede.com.br - Todos os direitos reservados © 2009