Lista dos clubes amadores da Baixada Santista
 
 
Santos é tri da Libertadores  
Duelo entre Neymar e Messi  
Muricy mereceu o título  
Neymar faz história na Vila  
Neymar e Ganso até 2015  
Ver todas as notícias  
 
Renan Prates Renan Prates
Timão, na moral
 
Pepe

José Macia Pepe
Bombas de alegria

 

 
Ednilson Valia Ednilson Valia
Amor corintiano
 

Gustavo Grohmann

Gustavo Grohmann
Messi na Copa
 
global Coluna do Leitor
Homenagem ao Pelé
 
     
 
 
Ver todos os colaboradores
  Gigi

Carlos Alberto Mano Prieto - ( Gigi)

contato: carlosprieto@giginarede.com.br

   
Aviso aos navegantes
  Aviso aos Navegantes

Título que lembra uma chanchada clássica da Atlântida, mas que aqui tem outro significado, o de que o Santos F.C. entra na briga com os EUA e o Iraque e se prepara para enriquecer o urânio com intuito de fabricar a sua bomba atômica na defesa do seu jogador Neymar. Pretende também comprar um porta-aviões, um encouraçado, enfim, todo tipo de armamento pesado para protegê-lo daqueles “infelizes da bola”, ou os chamados jogadores truculentos (denominação advinda dos Pampas).

 

Pedir complacência eu sei que é utopia, mas, botar a boca no trombone é mais do que justo.
Lamentável foi a infeliz declaração do treinador Antonio Lopes, querendo reverter o espírito da coisa. Pobre Lopes! Mandou baixar o sarrafo no moleque. Sendo o que foi, não resta a menor dúvida do porque mandar usar da truculência.

Por outro lado, a mídia toda com a sua baba pegajosa adverte, de forma maliciosa, insidiosa e inconseqüente, e acaba incentivando a sua caça.

Ora! Porque não contratamos o crime organizado e numa emboscada acabamos de vez com esta tortura e sofrimento de vê-lo brincar e se deliciar fazendo gozação dentro de campo. Ai dele se estivesse sob o regime dos Aiatolás, com certeza estaria sem os dois pés, ou enterrado até o pescoço sendo apedrejado por ultrajar o seu próximo. Ou então, contratar o elenco da chanchada da Atlântida com Oscarito e Grande Otelo, e submetê-lo à tortura do riso até matá-lo.

Só brincando mesmo para tolerar toda essa mediocridade que versa sobre o assunto. No fundo sei que é matéria jornalística para encher lingüiça, mas fico imaginando o que aconteceria nos dias de hoje com o Garrincha, Canhoteiro, Mário e outros tantos firuleiros do passado. Não cito o Pelé porque, segundo o meu amigo Pepe, ele veio de outro planeta.

Na verdade, todos deveriam ser tolerantes e defendê-lo até debaixo d’água, na preservação de sua integridade física, para assim continuarmos a nos divertir com suas “malabarices”.

Se, no dia de hoje, fizéssemos uma enquete na cidade do Rio de Janeiro, as vésperas do jogo do Santos F.C. contra o Flamengo, no Maracanã, como estaria a integridade física de outro infeliz, Carlos Eugênio Simon, que lhe deu o terceiro cartão amarelo, privando o carioca de relembrar o seu saudoso Mané.

Abraços do Gigi

Clique aqui para visualizar todas as crônicas
www.giginarede.com.br - Todos os direitos reservados © 2009