Lista dos clubes amadores da Baixada Santista
 
 
Santos é tri da Libertadores  
Duelo entre Neymar e Messi  
Muricy mereceu o título  
Neymar faz história na Vila  
Neymar e Ganso até 2015  
Ver todas as notícias  
 
Renan Prates Renan Prates
Timão, na moral
 
Pepe

José Macia Pepe
Bombas de alegria

 

 
Ednilson Valia Ednilson Valia
Amor corintiano
 

Gustavo Grohmann

Gustavo Grohmann
Messi na Copa
 
global Coluna do Leitor
Homenagem ao Pelé
 
     
 
 
Ver todos os colaboradores
  Gigi

Carlos Alberto Mano Prieto - ( Gigi)

contato: carlosprieto@giginarede.com.br

   
  Cadê os bons tempos.......
   
 

Robinho

Já de longa data havia me constrangido com o comportamento de atletas profissionais em desrespeito aos princípios éticos e morais no exercício de sua carreira.

Passou na verdade a ser utópica a expectativa de que hoje possa existir algum resquício amadorístico por amor à camisa. Mesmo porque, a barreira da desconfiança, entre ambas as partes, sempre existiu nos desmandos daquele que contrata contra a indolência do contratado. 

No intuito de harmonizar e disciplinar este relacionamento, criou-se a Lei Pelé com a finalidade de conscientizar o contratante de sua responsabilidade como empresa e uma maior liberdade de negociação para o contratado (pelo menos era esta a filosofia do legislador).

Mas, no entanto, surgiu um novo personagem que se configura como tutor com uma personalidade mais marcante e que acaba por deturpar determinados conceitos.

Deveriam sim, focar mais a carreira do jogador e não só pensar em sua ascensão financeira. E, conseqüentemente, os jogadores se sentem mais “garantidos” sobre a égide da conquista, não do caneco de ouro, mas sim do “pote de ouro”, ignorando por completo conceitos morais de conduta e comportamento.

Sei também que predestinados a uma sorte maior, ainda em suas categorias de base, já usufruem quantias proporcionalmente absurdas e que acabam por criar o desinteresse de uma escolaridade melhor. Portanto, repito e insisto que devem se preparar para o amanhã com estudo adequado para que não firam certos princípios e tenham capacidade para gerir os seus próprios negócios, se livrando da dependência e ganância de seus pretensos tutores.

Isto tudo porque a imagem daquele que nos fez acreditar, num passado mui breve, de que seria um novo ídolo, já nos antipatiza e nos faz crer que a esperança foi em vão.

O acontecimento recente é a prova mais viva de tudo que afirmo acima. O Real Madrid acaba por experimentar do próprio veneno.

Quando da saída de Robinho do Santos F.C., abusando de sua privilegiada situação financeira, bancou a estratégia do então procurador Wagner Ribeiro para que rompesse um contrato. E agora, extrapolando todo e qualquer interesse de um futuro mais promissor para seu “tutelado”, acaba empurrando-o de vez para o obscurantismo. Ato tão imponderado que faz denegrir ainda mais a imagem, já desgastada, do atleta tupiniquim.

Tomara, pois ainda me encontro crédulo que Robinho  venha reconhecer a sua arrogância e prepotência e dê a volta por cima fazendo reviver toda a ingenuidade  e irreverência do seu futebol.

A carapuça, talvez, sirva para alguns de nossos atletas e, para confirmação e coincidência dos fatos acima relatados, apenas vejam a classificação do futebol brasileiro no ranking da Fifa: 6º colocado.

Abraços do Gigi

 

   
  Clique aqui para visualizar todas as crônicas
www.giginarede.com.br - Todos os direitos reservados © 2009