Lista dos clubes amadores da Baixada Santista
 
 
Santos é tri da Libertadores  
Duelo entre Neymar e Messi  
Muricy mereceu o título  
Neymar faz história na Vila  
Neymar e Ganso até 2015  
Ver todas as notícias  
 
Renan Prates Renan Prates
Timão, na moral
 
Pepe

José Macia Pepe
Bombas de alegria

 

 
Ednilson Valia Ednilson Valia
Amor corintiano
 

Gustavo Grohmann

Gustavo Grohmann
Messi na Copa
 
global Coluna do Leitor
Homenagem ao Pelé
 
     
 
 
Ver todos os colaboradores
  Gigi

Carlos Alberto Mano Prieto - ( Gigi)

contato: carlosprieto@giginarede.com.br

   
Corinthians, o protagonista do inusitado
   

foto globoesporte.com

Talvez ficasse melhor o emprego de excentricidade ao protagonista de todas as tramas, e por isso devemos tirar o chapéu para esse marqueteiro, que deve fazer inveja até mesmo ao do partido governista, o PT.

Se fossemos buscar no passado mais remoto, haveríamos de encontrar, com certeza, inúmeras passagens, mas, no entanto, vamos dar o start pelos idos da década de 50, mais precisamente em 1954, quando do 4º centenário da cidade de São Paulo em que ele sagrou-se campeão.

  Sabe lá Deus como, aos trancos e barrancos, fazendo peripécias das mais habilidosas em busca desse título. Só para relembrar um pouco, acredito terem sido umas tantas e quantas partidas vencidas no limite do seu tempo com a ajuda daquele apito amigo e quase sempre em uma cena dantesca com o árbitro de punho em riste apontando o cal.

Afora os contratos extraordinários de atletas renomados numa nítida ação promocional, como Garrincha, Ronaldo Fenômeno, e agora, Roberto Carlos (e não duvido se na época tiveram a pachorra de querer contratar o Pelé), e assim, conseguindo sempre a qualquer custo iludir e emocionar a sua excepcional massa.Também, os inúmeros títulos paulistas conquistados, tenham sido eles tirados ou não no famoso par ou impar do Trio de Ferro, não deixam e mesmo, sequer, denigrem a imagem deste clube que faz das tripas coração para agradar a sua turba.

Mas, o ápice de suas artimanhas foi o convencimento junto à Fifa para alterar o seu calendário, criando um torneio a nível mundial, sem pé nem cabeça, que intriga até hoje os mais experts em matéria de futebol. E claro, sagrou-se campeão.

Outra de suas façanhas foi quando da apresentação de um novo plantel, já que o convite para o amistoso cabe sempre a um time em condições adversas. Tanto que este último, o Huracan da Argentina (tivemos no passado o Estudiantes, etc, etc, etc, mas fiquemos com este) viajou de trem, ônibus, pegou uma chata no Rio Tietê e apareceu na fazendinha no horário estipulado, e como era quarta-feira, foi oferecido a eles uma bela feijoada acompanhada de caipirinha de vodca (e não de cachaça porque teriam que jogar uma partida de futebol logo mais). Dali pegaram uma condução e enfrentaram um leve congestionamento na marginal e foram para o Pacaembu. 

Chegando lá, por incrível que pareça, tiveram que pedir emprestado algum material esportivo, pois haviam esquecido. Alguns parecem ter corrompido o garçom que colocou cachaça em vez de vodca e acabaram se excedendo na caipirinha.
Brinco muito com eles porque no fundo tenho uma afinidade muito grande por ter vários amigos de infância e mesmo até um irmão corintiano fanático.

Mas, realmente esse é um autêntico clube de massa, tanto que elegeu o Marcelinho Carioca como símbolo do seu centenário em resposta à vontade dela própria, preterindo outros baluartes que fizeram história no Corinthians.

Abraços do Gigi

Clique aqui para visualizar todas as crônicas
www.giginarede.com.br - Todos os direitos reservados © 2009