Lista dos clubes amadores da Baixada Santista
 
 
Santos é tri da Libertadores  
Duelo entre Neymar e Messi  
Muricy mereceu o título  
Neymar faz história na Vila  
Neymar e Ganso até 2015  
Ver todas as notícias  
 
Renan Prates Renan Prates
Timão, na moral
 
Pepe

José Macia Pepe
Bombas de alegria

 

 
Ednilson Valia Ednilson Valia
Amor corintiano
 

Gustavo Grohmann

Gustavo Grohmann
Messi na Copa
 
global Coluna do Leitor
Homenagem ao Pelé
 
     
 
 
Ver todos os colaboradores
  Gigi

Carlos Alberto Mano Prieto - ( Gigi)

contato: carlosprieto@giginarede.com.br

   

Hegemonia sul-americana

   
Futebol

Uma Copa que mostra a supremacia do futebol sul-americano. Claro que me refiro ao talento no trato da bola, e não da organização que na verdade é o maior talento dos europeus. Nada mais do que cinco seleções classificaram-se para as oitavas de final, Argentina, Brasil, Chile, Uruguai e Paraguai e ainda mais duas do hemisfério norte com Estados Unidos e México. Isto prova o quanto evoluiu o futebol do lado de cá, embora possa acontecer uma final européia.

Já do outro lado, apenas três seleções como Alemanha, Holanda e Espanha se mantém na disputa pelo título. Na chave do Brasil, até

 

aqui, será a Holanda o grande teste, e se passar estará praticamente na final, pois jogará a semifinal com o vencedor de Uruguai de Furlan x Gana de Ayew, duas autênticas “zebras”, o que tanto um como outro, somente deverá tornar um pouco mais difícil a sua vitória.

Já na outra chave fica bem mais difícil em função dos confrontos entre Argentina de Messi e Alemanha de Ozil, sendo estas duas as mais bem cotadas para disputar a final. No entanto, correndo por fora, aparece aquela que chegou a liderar o ranking da Fifa, a Espanha de Iniesta.

O Brasil de Kaká, apesar dos contratempos, ainda esbanja sua hegemonia como os verdadeiros súditos de sua majestade, a bola. Contratempos esses que além das polêmicas quanto as convocações, das dúvidas quanto a escalação de fulano e sicrano, e até mesmo da declaração esdrúxula do responsável clínico quanto o diagnóstico dado no caso da contusão do Elano, que deixou nas mãos de Deus a sua recuperação. 

Mesmo com esses problemas o nosso futebol cresce e intimida os adversários, tanto que já volta para o mercado de apostas como debutante ao título. Aliás, falando nisso, acaba assustando aos menos crédulos, pela sua influência maligna, que presumidamente poderá provocar manipulações no resultado final.

Quero acreditar que estas malfadas previsões não se repitam como tem acontecido em Copas anteriores, especificamente de 1998 e 2006, para que assim possamos ter uma final digna de campeões.

Abraços do Gigi

Clique aqui para visualizar todas as crônicas
www.giginarede.com.br - Todos os direitos reservados © 2009