Lista dos clubes amadores da Baixada Santista
 
 
Santos é tri da Libertadores  
Duelo entre Neymar e Messi  
Muricy mereceu o título  
Neymar faz história na Vila  
Neymar e Ganso até 2015  
Ver todas as notícias  
 
Renan Prates Renan Prates
Timão, na moral
 
Pepe

José Macia Pepe
Bombas de alegria

 

 
Ednilson Valia Ednilson Valia
Amor corintiano
 

Gustavo Grohmann

Gustavo Grohmann
Messi na Copa
 
global Coluna do Leitor
Homenagem ao Pelé
 
     
 
 
Ver todos os colaboradores
  Gigi

Carlos Alberto Mano Prieto - ( Gigi)

contato: carlosprieto@giginarede.com.br

   

O poder da limitação

  Como é duro o dia-dia de um trabalhador qualquer, agregado ainda a “n” problemas e conflitos de toda ordem. Muitos até recorrem ao divã do psicanalista para suportarem a carga de energia negativa impulsionada e superestimada pelos fanáticos da má notícia. Em virtude disto, já conheço inúmeras pessoas que se negam a ver os noticiários que valorizam, sobremaneira, o sensacionalismo em troca dos famigerados pontos de audiência.
 

 

maníaco do controle remoto

Além disso, procuramos a toda sorte, já “neurotizados” pelo processo, algo mais leve, instrutivo, educativo e divertido. No entanto, nos deparamos, para aumentar mais ainda esta neura, com programas como o tal do BBB, que até me nego a traduzir a sua sigla de tão infeliz que é. Réplica de um reality show americano, aliás, típico de um povo que não tem mais nada o que inventar, ou melhor, digno de quem vem ladeira abaixo.

Peço que vocês façam um teste sobre o que estou afirmando. Liguem em um desses programas imbecis, que, aliás, não são poucos e, por curiosidade, apenas escutem sem ver a imagem. E, como o Ibope está em baixa, já começam a apelar para “sacanagem”. Agora concluam se estou com a razão ou não? Ou será apenas matéria de estudo para os pseudo-intelectuais?

Como ironia ou não, imaginem se pudéssemos vigiar os bastidores de nosso congresso. Aposto que seria imbatível o seu Ibope.

Com isso, criou-se a clã dos "maníacos do controle remoto", com direito a tiques e tudo mais.

Para terem uma idéia do problema, vou contar uma passagem: estava eu numa cafeteria quando ao meu lado um sujeito com o celular em sua mão fazia gestos como se estivesse clicando um controle remoto a cada pedido que fazia.  Estendia o braço com seu aparelho celular na mão e  dizia: “me dê um cafezinho, por favor”. E assim o fazia a cada pedido seu. Foi aí que o alertei de que aquilo que estava em sua mão era o celular e não o controle remoto. E ele então se desculpou, não pelos seus gestos, mas sim por ter esquecido o controle em casa. Portanto, essa dependência já se incorporou no espírito do tresloucado " clicador": basta cutucá-lo e pronto, clica para todo lado. Este, na verdade, é o elemento mais representativo desta clã.

Abraços do Gigi

 
 
  Clique aqui para visualizar todas as crônicas
www.giginarede.com.br - Todos os direitos reservados © 2009