Lista dos clubes amadores da Baixada Santista
 
 
Santos é tri da Libertadores  
Duelo entre Neymar e Messi  
Muricy mereceu o título  
Neymar faz história na Vila  
Neymar e Ganso até 2015  
Ver todas as notícias  
 
Renan Prates Renan Prates
Timão, na moral
 
Pepe

José Macia Pepe
Bombas de alegria

 

 
Ednilson Valia Ednilson Valia
Amor corintiano
 

Gustavo Grohmann

Gustavo Grohmann
Messi na Copa
 
global Coluna do Leitor
Homenagem ao Pelé
 
     
 
 
Ver todos os colaboradores
  Gigi

Carlos Alberto Mano Prieto - ( Gigi)

contato: carlosprieto@giginarede.com.br

   

O mundo todo se rende a Sua Majestade, a bola

   
Copa do Mundo

Exatamente às 11 horas do dia de 10 de junho de 2010, mais uma vez o mundo se curva para Sua Majestade, a bola.

Alguns setores de nossa cadeia produtiva, certamente estarão se queixando, alegando que a atenção da grande maioria estará direcionada e reverenciando a ela, sua majestade, a bola. No entanto, um comércio

 

paralelo de venda de materiais alusivos à copa se robustece. Não houve uma firma sequer que não tenha instalado em suas dependências um aparelho televisor, com o intuito de não dispensar os seus funcionários e manter sua equipe de trabalho funcionando entre intervalos.

Uma Copa do Mundo realizada fora dos grandes centros, tendo à África do Sul a ousadia de sediá-la a um custo verdadeiramente absurdo, e não sabemos como ficarão após o término do evento. Festa esta, que durante o seu tempo alegrará uma multidão incalculável de afeiçoados do futebol e trará a vista do resto do mundo a história de um povo que até então era conhecido através de um regime político segregacionista, o apartheid, e de seu grande redentor Nelson Mandela.

Vuvuzelas, momozelas e vuthelas, cornetas sopradas com toda energia de um povo que viveu por muitos anos sob um regime de segregação racial. Não sabemos se de fato o som emanado dessas cornetas não será um grito de dor, angústia, ou de alívio e alegria pela queda do regime e a volta de seu líder máximo, Nelson Mandela.

Considerada zebra pela chave difícil em que foi sorteada, e como o povo em geral é chegado a aplaudir sempre os mais fracos, eles com certeza terão o reconhecimento não só pelo esforço para sediar esta Copa, mas também pela simpatia que irradiam.

Como estou escrevendo e assistindo ao jogo de abertura pela televisão, vejo com bons olhos o belo trabalho de Parreira, que, aliás, já foi campeão do mundo comandando nossa seleção. Não fosse a trave, a inocência em alguns lances e, para variar, um erro de arbitragem, teria saído com todo o mérito vencedor desta partida. Portanto, não se admirem se a África do Sul for uma zebra radiante. Afinal, eles merecem.

Abraços do Gigi

Clique aqui para visualizar todas as crônicas
www.giginarede.com.br - Todos os direitos reservados © 2009