Lista dos clubes amadores da Baixada Santista
 
 
Santos é tri da Libertadores  
Duelo entre Neymar e Messi  
Muricy mereceu o título  
Neymar faz história na Vila  
Neymar e Ganso até 2015  
Ver todas as notícias  
 
Renan Prates Renan Prates
Timão, na moral
 
Pepe

José Macia Pepe
Bombas de alegria

 

 
Ednilson Valia Ednilson Valia
Amor corintiano
 

Gustavo Grohmann

Gustavo Grohmann
Messi na Copa
 
global Coluna do Leitor
Homenagem ao Pelé
 
     
 
 
Ver todos os colaboradores
  Gigi

Carlos Alberto Mano Prieto - ( Gigi)

contato: carlosprieto@giginarede.com.br

   
Os homens que não amavam o futebol
 

charge futebol lancenet

 

Parodiando o título do livro sueco de Stieg Larsson e do filme de David Fincher, Millennium, que concorre ao Oscar deste ano, é o que de fato acontece com os homens que comandam o nosso futebol.

Calendário mal dirigido onde conflita com todos os eventos como: Olimpíada, Mundial, Libertadores, além das Copas  Brasil e Sul Americana, e finalmente o Campeonato Regional e Brasileiro.

Se obedecessemos ao melhor chavão: “nada se cria e tudo se copia”, por que não nos espelharmos no calendário europeu que tem tanto quanto copas  e torneios equivalentes.

Obviamente, sem querer criar uma fórmula mágica, imaginemos como ficará a disputa do Campeonato Brasileiro em 2013 quando estará acontecendo a Copa das Confederações. Ou ainda, em 2014 com a Copa do Mundo aqui no Brasil. Afinal, para que estes eventos máximos aconteçam será preciso interromper o nosso campeonato.  

Não quero ser o carrasco e dizer que os campeonatos regionais deveriam ser eliminados, mesmo porque, eles servem de preparatório para as demais competições.

Como sabemos, ele é mantido para sobrevivência dos chamados clubes pequenos. Mas, mesmo assim, a cota ínfima endereçada a eles não desfaz o pouco entusiasmo dos seus torcedores, haja vista a pequena presença nos seus jogos.

De fato, houve uma descaracterização dos clubes com relação a sua cidade, em função destes servirem de “vitrine” a este clã que se aflorou com o advento da Lei Pelé: os empresários.

Para que se elucide melhor o pensamento acima, é exatamente como o afamado “Jogos Abertos do Interior”, em que pela perda do espírito amadorístico, as prefeituras disputantes contratam atletas de ponta de outras localidades.  

Sobre a própria lei, que a verdade seja dita, tem que ser revista no sentido de haver uma melhor equanimidade entre as partes.

Hoje, com o surgimento dela, os cartolas sofrem as conseqüências de seus desmandos no passado, onde subjugavam o jogador de futebol aos seus caprichos.

Portanto, que repensem tanto no calendário quanto na própria Lei Pelé para que não preste desserviço aquilo que mais impulsiona o ânimo do trabalhador brasileiro: o futebol

Dois palpites, que não sejam infelizes é claro: o primeiro seria mudar a pré-temporada para o meio do ano, assim como o europeu, para não colidir com as copas das confederações e a do mundial. E, quanto ao Regional Paulista, dividi-lo em quatro chaves com cinco clubes cada, encabeçadas pelos times grandes, os quais não teriam mando de jogo na 1ª. fase (já que o intuito é salvaguardar as finanças dos pequenos). , para o octogonal final, se aplicaria o critério de pontos corridos para que aconteçam os clássicos com tabela dirigida pela Federação e seus “agregados”.

Abraços do Gigi
Clique aqui para visualizar todas as crônicas
www.giginarede.com.br - Todos os direitos reservados © 2009