Lista dos clubes amadores da Baixada Santista
 
 
Santos é tri da Libertadores  
Duelo entre Neymar e Messi  
Muricy mereceu o título  
Neymar faz história na Vila  
Neymar e Ganso até 2015  
Ver todas as notícias  
 
Renan Prates Renan Prates
Timão, na moral
 
Pepe

José Macia Pepe
Bombas de alegria

 

 
Ednilson Valia Ednilson Valia
Amor corintiano
 

Gustavo Grohmann

Gustavo Grohmann
Messi na Copa
 
global Coluna do Leitor
Homenagem ao Pelé
 
     
 
 
Ver todos os colaboradores
  Gigi

Carlos Alberto Mano Prieto - ( Gigi)

contato: carlosprieto@giginarede.com.br

   
 

A síndrome dos 3x0 e 4x1

   
  Kleber Pereira e seu brinco místico

Havia reclamado sobre o que estaria acontecendo nos bastidores do clube para que houvesse essa repentina reviravolta no desempenho do elenco. Na verdade, dois jogadores tiveram influência direta nos acontecimentos, e o que parece é que estamos reféns deles. O goleiro reivindicou tudo o que tinha direito, e fez o que fez. O centro avante idem, e “não” fez o que “não” fez. É duro, às vezes, enfrentar a verdade, mas, lamentavelmente, ela tem que ser dita, custe o que custar.

 

Não aceito, em hipótese alguma, de que o Santos já foi longe demais. O futebol hoje no Brasil está nivelado, com raras exceções, muito por baixo, inclusive o futebol paulista. Para que sirva de fundamento a este raciocínio, tanto o Santos quanto o Corinthians desclassificaram das finais os dois melhores times do campeonato. Portanto, não aceito as desculpas de quem quer que seja, de que o vice-campeonato está muito bom.

O Mano padronizou uma tática e conseguiu patentear a retranca, no que se tornou o seu grande mérito, embora eu ache um plano suicida. Já Mancini encorajou a renovação com muito sucesso e teve uma arrancada brilhante para a final.

Quero crer que essa síndrome da virada até que poderá acontecer, se forem esclarecidas as mazelas dos bastidores.

Outra vez a matemática me fustiga e proponho que seja utilizada uma fórmula quando da renovação contratual do centro avante: “para cada gol seu, se pagaria a importância de $50.000 e, na contra partida, ele devolveria aos cofres do clube apenas a bagatela de $20.000 a cada gol perdido”. No final da temporada, com certeza, ele estaria empenhando até os “brinquinhos”.

Abraços do Gigi

 
 
Clique aqui para visualizar todas as crônicas
www.giginarede.com.br - Todos os direitos reservados © 2009