Lista dos clubes amadores da Baixada Santista
 
 
Santos é tri da Libertadores  
Duelo entre Neymar e Messi  
Muricy mereceu o título  
Neymar faz história na Vila  
Neymar e Ganso até 2015  
Ver todas as notícias  
 
Renan Prates Renan Prates
Timão, na moral
 
Pepe

José Macia Pepe
Bombas de alegria

 

 
Ednilson Valia Ednilson Valia
Amor corintiano
 

Gustavo Grohmann

Gustavo Grohmann
Messi na Copa
 
global Coluna do Leitor
Homenagem ao Pelé
 
     
 
 
Ver todos os colaboradores
  As sandálias da xucrice
 
  Sandália da xucrice

Definir a solidariedade no âmbito político se torna um assunto de extrema complexidade, tendo em vista a sua ambigüidade. Mas, primeiramente vamos entender o porquê desta questão. A política, infelizmente, nos traz ,a cada dia que passa, uma idéia de que nada valeu nosso aprendizado, nossa formação acadêmica e até mesmo nossa preparação para a vida, quanto ao desenvolvimento de nosso caráter. Ela é tão compulsiva que até mesmo àqueles que primaram pelos caminhos mais conceitualmente radicais também se dobraram as peripécias e dogmas que constituem todas as mordomias que o poder oferece. Claro, que dentre muitos, afora os grandes estadistas que tivemos, algo de positivo se fez, haja vista as constituições ora estabelecidas.

Mas, o que mais entristece é que existe um termo nas hostes políticas que define bem toda uma atuação, supostamente magnânima, que seria a chamada “contra partida”.

  Sabemos, no entanto, que no conceito do leigo seria simplesmente: o “toma lá da cá” ou “troca-troca”. Portanto, o jogo do poder se resume pura e simplesmente no interesse individual de cada parte e, não raramente, no interesse comum.

Já quanto ao tema desta crônica, tendo ao longo do tempo adquirido o “ranço” do mau político, é que extravaso toda uma insensatez no que diz respeito à solidariedade praticada por “eles”, excluindo obviamente a praticada por nós.

Sob a égide de que praticam o bem é que me deixa encafifado...

Usufruindo da mediocridade, ou melhor, aplicando um termo de certa forma chulo, da “xucrice”, é que fazem uso a todo instante para se manter nos seus cargos eletivos.

Desejo, também, esclarecer que o termo ora referido não é, de forma alguma, pejorativo muito menos pelo significado intrínseco da própria palavra, pois considero um vocábulo que atinge a todos aqueles que pela humildade ou não, são enganados por decisões que mal conseguimos entender.

Portanto, na ânsia de manter o seu “status”, até mesmo pessoas de alto poder aquisitivo cometem atos xucros. Como por exemplo, alguém que entra em uma loja de griffe e paga por uma sandália o equivalente ao sustento de toda uma família. Seja qual for sua alegação, não deixa de ser chocante. Sei que é difícil tal entendimento, mas sinceramente procuro externar, da maneira mais pura, o que sinto no meu âmago. É obvio que o mais abastado responderá usando a famosa frase: “quem pode, pode, quem não pode se sacode”.

Parodiando o Pânico.... ”sandálias da xucrice pra eles”.
   
  Clique aqui para visualizar todas as crônicas
www.giginarede.com.br - Todos os direitos reservados © 2009