Lista dos clubes amadores da Baixada Santista
 
 
Santos é tri da Libertadores  
Duelo entre Neymar e Messi  
Muricy mereceu o título  
Neymar faz história na Vila  
Neymar e Ganso até 2015  
Ver todas as notícias  
 
Renan Prates Renan Prates
Timão, na moral
 
Pepe

José Macia Pepe
Bombas de alegria

 

 
Ednilson Valia Ednilson Valia
Amor corintiano
 

Gustavo Grohmann

Gustavo Grohmann
Messi na Copa
 
global Coluna do Leitor
Homenagem ao Pelé
 
     
 
 
Ver todos os colaboradores
  Ednilson Valia Futebol

Ednilson Valia

Com um faro de basset hound e ostentando um tato de elefante é Jornalista há 11 anos, com trabalhos publicados no Diário Esportivo Lance, revista Grandes Clubes do futebol brasileiro, Placar e um dos autores do Livro Quem é Quem (500 jogadores nacionais e 500 jogadores internacionais), da Editora Abril.

E-mail: ednilsonvalia@gmail.com



  Ainda não inventaram o Torcedômetro
 
Arquivos

Torcedômetro
SPFC especula
Bahtchê de Dunga Ganso, o gênio
Esse não é o Brasil
Seleção campeã Maradona anti-herói Minha Sara, Casillas
O problema é a mãe Com que olhos
Lula x Timão
Amor corintiano
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Após os tristes acontecimentos no clássico São Paulo e Corinthians do dia 15 de fevereiro de 2009, republico a coluna escrita no dia 11 de julho de 2007.

Há como avaliar o amor de um torcedor pelo seu time? Existem métodos para distinguir o que sente um torcedor do outro? O cidadão que comparece a todos jogos do seu time, ama mais o seu clube do que aquele que não deixa de escutar ou assistir um jogo do mesmo há dez anos? O torcedor organizado que sabe todos os “cantos” agrega mais valor do que aquele que se emociona ao ouvir o hino do clube?

O “amor” é difícil de ser definido e quantificado, até porque ainda não foi inventado o “Torcedômetro”, um aparelho para avaliar a identificação, o amor e o comprometimento de cada um com o seu time.

Claro que existem exceções, pessoas que realmente adotam o seu time como “religião” e o colocam como prioridade em todas as ocasiões de suas vidas. Trabalham com alguma coisa que o deixem perto desta “paixão”, viajam e suas agendas são destinadas aos compromissos do “seu” clube.

No contraponto surgem os “torcedores” travestidos. Estes usam uma paixão comum a muitos para se manifestar de forma violenta e perplexa com palavras indescritíveis, com cânticos de guerra, além de invariavelmente depredar o patrimônio alheio. Existem aqueles que por timidez ou qualquer outro problema emocional usam o futebol para sua emancipação, sair do ostracismo, usando discursos coléricos, negligenciando fatos relevantes e usurpando sua “verdade” como interessar. Nestes dois casos, não existe a famigerada “paixão” pelo time. O futebol é usado como artifício para aflorar uma personalidade desoladora e deprimida.

O amor pelo time é homogêneo quando a referência é a massa de torcedores. Assim podemos diferenciar os vários grupos pelos times do Brasil. Mas, quando o assunto é o torcedor único, este amor é heterogêneo. Isto devido a inúmeros motivos, que variam entre a identificação com o momento da equipe, a vida pessoal e a disponibilidade financeira, fora outros quesitos não relacionados.

Fale com o clunista: ednilsonvalia@gmail.com

 
www.giginarede.com.br - Todos os direitos reservados © 2009