Lista dos clubes amadores da Baixada Santista
 
 
Santos é tri da Libertadores  
Duelo entre Neymar e Messi  
Muricy mereceu o título  
Neymar faz história na Vila  
Neymar e Ganso até 2015  
Ver todas as notícias  
 
Renan Prates Renan Prates
Timão, na moral
 
Pepe

José Macia Pepe
Bombas de alegria

 

 
Ednilson Valia Ednilson Valia
Amor corintiano
 

Gustavo Grohmann

Gustavo Grohmann
Messi na Copa
 
global Coluna do Leitor
Homenagem ao Pelé
 
     
 
 
Ver todos os colaboradores
  Sandra Motta Dito e Feito

Sandra Motta

Jornalista, Bacharel em Direito e web designer responsável pelo site



contato: sandra@giginarede.com.br

  Condomínios: protesto de dívidas pode gerar longas batalhas judiciais
 
Arquivos

Jogadores bonitos
Reforma ortográfica
Rui Barbosa
Pílula dia seguinte
Fuja da rotina
Arte com giz
Viagra feminino
Celebridades sem maquiagem
Pílula da boa forma
Net x obesidade
Peixe médico
Condominios
Dublagem brasileira
Contra o stress
O cheiro e o humor
Apresentação

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


A nova lei que permite aos condomínios do estado protestar em cartório os boletos atrasados de taxa condominial e de locação, sancionada na terça-feira (22) pelo governador José Serra, pode gerar, segundo o advogado especialista no ramo imobiliário, Plínio Ricardo Hypólito, uma série de batalhas judiciais.

Dívida deve ser comprovada
A explicação para os prováveis embates é o fato de que, no caso do protesto de dívidas de condomínio, há necessidade de se comprovar, na Justiça, que a despesa foi discutida em assembléia do condomínio, lavrada em ata, devidamente registrada, conforma explica Hypólito.

Como há condomínios que não têm registros devidamente organizados, "o condômino pode propor medida cautelar de sustação do protesto", declara. De acordo com o advogado, o mesmo não vale no caso do atraso de aluguéis, em que a dívida é inquestionável, pois permanece registrada.


Orientação Jurídica

"Existe um grande número de condôminos inadimplentes. Para que sejam evitadas longas batalhas judiciais, os condomínios devem ter a certeza de contra quem vai ser dirigido o protesto. É preciso se certificar de que a dívida seja exigível", destaca Hypólito. "Para isso, os administradores devem se cercar de orientação jurídica antes de tomar qualquer atitude", conclui.

O projeto prevê que os proprietários que não pagarem a taxa de condomínio ou o aluguel terão seus nomes incluídos em cadastros de proteção ao crédito, como o SPC (Serviço de Proteção ao Crédito) e a Serasa. Com isso, terão dificuldades para abrir crediários e realizar financiamentos, por exemplo.

A nova legislação permite ao síndico e ao administrador de condomínio protestar a dívida logo no primeiro mês de inadimplência. Entretanto, a Pro Teste - Associação de Consumidores alerta que, mesmo inadimplente, o consumidor tem de ser avisado previamente para ter oportunidade de pagar antes do registro do nome no cadastro.

Fonte: Equipe InfoMoney

www.giginarede.com.br - Todos os direitos reservados © 2009