Lista dos clubes amadores da Baixada Santista
 
 
Santos é tri da Libertadores  
Duelo entre Neymar e Messi  
Muricy mereceu o título  
Neymar faz história na Vila  
Neymar e Ganso até 2015  
Ver todas as notícias  
 
Renan Prates Renan Prates
Timão, na moral
 
Pepe

José Macia Pepe
Bombas de alegria

 

 
Ednilson Valia Ednilson Valia
Amor corintiano
 

Gustavo Grohmann

Gustavo Grohmann
Messi na Copa
 
global Coluna do Leitor
Homenagem ao Pelé
 
     
 
 
Ver todos os colaboradores
  José Macia Pepe Bombas de Alegria

José Macia - Pepe

José Macia, o Pepe, nasceu na cidade de Santos, tornando-se o maior ponta esquerda artilheiro que o mundo já viu e, também possuidor do chute mais portentoso.

Seu maior mérito foi ter beijado um único dístico em toda sua carreira, o do glorioso Santos Futebol Clube. Por este seu gesto tem o respeito e o carinho não só de nossa cidade como também de todo torcedor alvinegro e apreciador do bom futebol. Editou seu primeiro livro “Bombas de Alegria”, em 2006, já em segunda edição e promete até o final deste ano o lançamento do seu segundo livro. Pepe está quase sempre na livraria Realejo, no Gonzaga, distribuindo autógrafos e esbanjando toda sua simpatia. Como colaborador e colunista deste site, reproduzirá  alguns dos seus famosos “causos”.


  O amigo Leal - 1959
 
Arquivos

O Magrelo...
Os três sinais
Discos Frankfurt
O amigo Leal
Empréstimo Manga
O contrato
O bote
As sete ondas
O porrete
Leão bravo

 






 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Leal foi meu companheiro no juvenil do Santos FC. Vindo do Jabuca, ele acabou - após sua passagem pelo Santos FC - jogando pelo Fluminense do Rio.

Como profissional jogou em vários clubes, entre eles o Guarani de Campinas.

Bom jogador, ranheta, catimbeiro, apertava os juízes e quase sempre procurava irritar os adversários.

Com o Santos FC., fomos em uma das últimas partidas de 59 jogar contra o Guarani do Leal. Jogo decisivo. O Santos se ganhasse seria quase campeão. O Guarani vencendo escapava do descenso para a 2ª Divisão.

Lula - nosso técnico - sabendo da minha amizade com o Leal, me orientou para um falso bate-papo antes do jogo, pois só assim o Zito poderia jogar a sua bola tranquila, já que o Leal como meia armador que era - o pertubaria não só na bola, mas principalmente na guerra de nervos.

Realmente ele cuspia, xingava a mãe, dava beliscão, etc.

E assim fez:

- Juju (era seu apelido), a diretoria toda do Santos (comecei a minha paparicação) veio hoje para te ver jogar! O Jair Rosa Pinto está parando, pois já tem 38 anos e você vai ser o seu substituto. Porém muitos diretores são contra a sua contratação, pois acham você indisciplinado.

Vê se hoje joga com calma a sua bola, sem catimbar, sem perturbar o juíz e o nosso time, isso vai ser bom pra você!

- Espanhol, vai se danar! Não vem com conversa mole pra cima de mim! Não vai ter moleza não ! Vai sobrar porrada pra todo mundo!

Perdemos de 3 a 2 e Leal ganhou o moto-rádio de melhor jogador em campo. Jogou, marcou, catimbou e no final saiu ovacionado pela torcida local.

 

 
www.giginarede.com.br - Todos os direitos reservados © 2009