Lista dos clubes amadores da Baixada Santista
 
 
Santos é tri da Libertadores  
Duelo entre Neymar e Messi  
Muricy mereceu o título  
Neymar faz história na Vila  
Neymar e Ganso até 2015  
Ver todas as notícias  
 
Renan Prates Renan Prates
Timão, na moral
 
Pepe

José Macia Pepe
Bombas de alegria

 

 
Ednilson Valia Ednilson Valia
Amor corintiano
 

Gustavo Grohmann

Gustavo Grohmann
Messi na Copa
 
global Coluna do Leitor
Homenagem ao Pelé
 
     
 
 
Ver todos os colaboradores
  José Macia Pepe Bombas de Alegria

José Macia - Pepe

José Macia, o Pepe, nasceu na cidade de Santos, tornando-se o maior ponta esquerda artilheiro que o mundo já viu e, também possuidor do chute mais portentoso.

Seu maior mérito foi ter beijado um único dístico em toda sua carreira, o do glorioso Santos Futebol Clube. Por este seu gesto tem o respeito e o carinho não só de nossa cidade como também de todo torcedor alvinegro e apreciador do bom futebol. Editou seu primeiro livro “Bombas de Alegria”, em 2006, já em segunda edição e promete até o final deste ano o lançamento do seu segundo livro. Pepe está quase sempre na livraria Realejo, no Gonzaga, distribuindo autógrafos e esbanjando toda sua simpatia. Como colaborador e colunista deste site, reproduzirá  alguns dos seus famosos “causos”.


  O Contrato
 
Arquivos

O Magrelo...
Os três sinais
Discos Frankfurt
O amigo Leal
Empréstimo Manga
O contrato
O bote
As sete ondas
O porrete
Leão bravo

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Wilson, um negro quase a azul marinho, chegou a ser titular da ponta direita do Santos. Pouca intimidade com a pelota. Era apenas um jogador esforçado.

Caía e levantava com uma facilidade de João Teimoso. Com isso ganhou o apelido de Tergal. Wilson Tergal.

Moço simples, pouca cultura, veio de Jundiaí tentar melhor sorte no futebol e chegou a ser útil em duas temporadas. A seguir foi cedido por empréstimo a Portuguesa Santista. Quando isto sucedeu, ele foi se aconselhar com o então supervisor Zito a respeito de como deveria proceder para assinar um bom contrato.

Zito lhe explicou: "Não há problema nenhum Wilson. Você pensa bem o que quer para assinar, chega lá e pede xis de luvas e xis de ordenado mensal. Só isso".

À noite foi lá Wilson Tergal e perante toda a diretoria da Portuguesa, reunida extraordinariamente para tratar do assunto, quando indagado do que estava pretendendo para uma assinatura de contrato, fez pose, colocou o cotovelo sobre a mesa e exclamou com sua voz acaipirada e com olhar de peixe morto:

" Eu quero xis de luvas e xis de ordenado!"

 

www.giginarede.com.br - Todos os direitos reservados © 2009