Lista dos clubes amadores da Baixada Santista
 
 
Santos é tri da Libertadores  
Duelo entre Neymar e Messi  
Muricy mereceu o título  
Neymar faz história na Vila  
Neymar e Ganso até 2015  
Ver todas as notícias  
 
Renan Prates Renan Prates
Timão, na moral
 
Pepe

José Macia Pepe
Bombas de alegria

 

 
Ednilson Valia Ednilson Valia
Amor corintiano
 

Gustavo Grohmann

Gustavo Grohmann
Messi na Copa
 
global Coluna do Leitor
Homenagem ao Pelé
 
     
 
 
Ver todos os colaboradores
  José Macia Pepe Bombas de Alegria

José Macia - Pepe

José Macia, o Pepe, nasceu na cidade de Santos, tornando-se o maior ponta esquerda artilheiro que o mundo já viu e, também possuidor do chute mais portentoso.

Seu maior mérito foi ter beijado um único dístico em toda sua carreira, o do glorioso Santos Futebol Clube. Por este seu gesto tem o respeito e o carinho não só de nossa cidade como também de todo torcedor alvinegro e apreciador do bom futebol. Editou seu primeiro livro “Bombas de Alegria”, em 2006, já em segunda edição e promete até o final deste ano o lançamento do seu segundo livro. Pepe está quase sempre na livraria Realejo, no Gonzaga, distribuindo autógrafos e esbanjando toda sua simpatia. Como colaborador e colunista deste site, reproduzirá  alguns dos seus famosos “causos”.


  O bote
 
Arquivos

O Magrelo...
Os três sinais
Discos Frankfurt
O amigo Leal
Empréstimo Manga
O contrato
O bote
As sete ondas
O porrete
Leão bravo

 






 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Lalá, ex goleiro do Santos F.C., já tinha encerrado a carreira de futebolista, e como professor de educação física formado, trabalhava na Portuguesa Santista. Uma equipe muito simpática e lutadora, porém considerada pequena e cujo objetivo principal era escapar às últimas colocações.

O jogo decisivo e que afastaria a Lusa Santista definitivamente das possibilidades do amargo rebaixamento seria contra o Nacional A.C. da capital; um simples empate resolveria tudo. Jogo no estádio Ulrico Mursa em Santos.

O nervosismo era geral. O zero a zero era mantido a todo custo. Lalá, sentado ao lado do técnico Clóvis, olhos esbugalhados, acompanhava do banco (a cadeira elétrica dos treinadores) todos os movimentos da partida. A noite era quente, e todos suavam em bicas.

Os berros do Lalá e do Clóvis eram ouvidos a distancia, pois o público era reduzido. Para eles, porém, homens responsáveis, o jogo valia tanto como uma decisão de mundial.

Quarenta minutos do segundo tempo. A Portuguesa no ataque, bombardeio, a bola não entra por um milagre, pois o central do Nacional debaixo da trave, com um chutão imenso, salva o gol e inicia um terrível contra-ataque. A Portuguesa desguarnecida, toda aberta atrás.

O ponta direita do Nacional, o mulato Lucas, era um corisco. Dominou a bola e iniciou um “rush” fatal para a meta, onde o negro arqueiro Luso Edilson reclamava da marcação falha.

E lá ia o Lucas sozinho para marcar o gol do Nacional e mandar a Lusa para a segunda divisão. Ninguém para lhe dar combate. Desespero total dos portugueses da baixada. Súbito, na passagem de Lucas pelo banco da Portuguesa, alguém sai correndo atrás dele. A perseguição foi rápida. Lucas percebeu e tentou fugir em vão.

Lalá, com um bote tigrino e certeiro, caiu estatelado no careca gramado da Lusa, tendo sobre si a presa visada: Lucas! Muito bem agarradinho com uma forte chave de braços, Lucas tentava em vão se soltar, para fazer o gol.

Uma bola no chão sem maiores problemas, com o Lalá sendo expulso da cancha, mas o mais importante, o 0 a 0 fora garantido. Missão cumprida.

Upa-Neguinho, o massagista Luso, mais parecido com um saci, após o jogo, tacava mercúrio cromo nos cotovelos ralados do Lalá.

Este soprava orgulhoso o heróico ferimento.

(extraído do livro "Bombas de Alegria")

 
www.giginarede.com.br - Todos os direitos reservados © 2009