Lista dos clubes amadores da Baixada Santista
 
 
Santos é tri da Libertadores  
Duelo entre Neymar e Messi  
Muricy mereceu o título  
Neymar faz história na Vila  
Neymar e Ganso até 2015  
Ver todas as notícias  
 
Renan Prates Renan Prates
Timão, na moral
 
Pepe

José Macia Pepe
Bombas de alegria

 

 
Ednilson Valia Ednilson Valia
Amor corintiano
 

Gustavo Grohmann

Gustavo Grohmann
Messi na Copa
 
global Coluna do Leitor
Homenagem ao Pelé
 
     
 
 
Ver todos os colaboradores
  José Macia Pepe Bombas de Alegria

José Macia - Pepe

José Macia, o Pepe, nasceu na cidade de Santos, tornando-se o maior ponta esquerda artilheiro que o mundo já viu e, também possuidor do chute mais portentoso.

Seu maior mérito foi ter beijado um único dístico em toda sua carreira, o do glorioso Santos Futebol Clube. Por este seu gesto tem o respeito e o carinho não só de nossa cidade como também de todo torcedor alvinegro e apreciador do bom futebol. Editou seu primeiro livro “Bombas de Alegria”, em 2006, já em segunda edição e promete até o final deste ano o lançamento do seu segundo livro. Pepe está quase sempre na livraria Realejo, no Gonzaga, distribuindo autógrafos e esbanjando toda sua simpatia. Como colaborador e colunista deste site, reproduzirá  alguns dos seus famosos “causos”.


  As sete ondas
 
Arquivos

O Magrelo...
Os três sinais
Discos Frankfurt
O amigo Leal
Empréstimo Manga
O contrato
O bote
As sete ondas
O porrete
Leão bravo

 






 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O jogo era contra o Corinthians no Pacaembu.

Lula havia deixado o Santos F.C. e era agora técnico da A.A. Portuguesa também da cidade praiana.

Chamou seu massagista Beicinho, um crioulinho ágil e esperto e intimou:
- Beicinho, hoje é sexta feira. Você vai logo mais à meia noite no mar, conta direitinho sete ondas e as pega num balde. Pois o Corinthians é um time perigoso, de mandingas, e temos que estar prevenidos, não quero perder esse jogo domingo.

Assim foi feito.

No domingo a delegação da lusa santista chega nos vestiários do Pacaembu com o chefão Lula à frente.

Examinou bem o recinto e antes de nele entrar gritou:
- Ninguém entra! Aqui há coisa feita!

Chamou Beicinho e ordenou que lavasse os vestiários arremessando a água do balde com as sete ondas apanhadas na sexta feira à noite.

E Lula exclamava enquanto a água escorria:
- Iemanjá vai nos garantir e proteger tranquilamente! Ela não falha!

Após o apito final, com sete a zero para o Corinthians, Beicinho quase “recebeu as contas” quando disse ao Lula:

-Professor, ainda bem que eu só peguei sete ondas. Já pensou se eu pegasse umas dez ou quinze??.

(extraído do livro "Bombas de Alegria")

 
www.giginarede.com.br - Todos os direitos reservados © 2009