Lista dos clubes amadores da Baixada Santista
 
 
Santos é tri da Libertadores  
Duelo entre Neymar e Messi  
Muricy mereceu o título  
Neymar faz história na Vila  
Neymar e Ganso até 2015  
Ver todas as notícias  
 
Renan Prates Renan Prates
Timão, na moral
 
Pepe

José Macia Pepe
Bombas de alegria

 

 
Ednilson Valia Ednilson Valia
Amor corintiano
 

Gustavo Grohmann

Gustavo Grohmann
Messi na Copa
 
global Coluna do Leitor
Homenagem ao Pelé
 
     
 
 
Ver todos os colaboradores
  Gustavo Grohmann Futebol

Gustavo Grohmann

Editor do site Milton Neves desde 2005. Passou pelas TVs Cultura e Record e pelo Diário do Grande ABC.

E-mail: gustavo@terceirotempo.com.br




  Ela ama o Fenômeno!
 
Arquivos

Bando de hipócritas
Toques rápidos
Respeito ao craque
A cereja do bolo
Nem tanto ao céu
O Fenômeno
Real Madrid
Torcida única
Fala sério Timão
Acabaram as férias
Pra que falar, Jr?
SP x Vitória
Prendam o agressor
Parabéns, Silas!
Holanda x Alemanha
Messi na Copa

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Ronaldo é craque! Diferenciado, inteligente, técnico, rápido (!?), habilidoso, driblador, incansável, cirúrgico... E trata a bola como ninguém! E ela, sem titubear, corresponde aos fenomenais afagos de maneira carinhosa e dedicada.

A conta é simples: quanto melhor tratá-la, melhor o amor será correspondido. E nesse aspecto, Ronaldo perde para poucos.

Lançamentos precisos, chutes certeiros, dribles desconcertantes e toques geniais. Ela não resiste ao tratamento de rainha e corresponde ao Fenômeno estufando as redes adversárias.

E mesmo das poucas vezes que sai em dificuldades dos geniais pés do ambidestro Ronaldo, a pelota faz o possível e o impossível para ajudá-lo a atingir seu objetivo final.

Certa vez me confessou tal segredo ao cair ao meu lado, nas arquibancadas de um estádio qualquer, após bisonho chute de jovem jogador, tido e havido pela imprensa local como “novo craque”.

Talvez com um outro atacante, não tão “amoroso” e “delicado”, daqueles que vemos em muitos times grandes do Brasil, o final do genial lance protagonizado por Ronaldo na Vila Famosa, mesmo seguido à risca, fosse outro.

Talvez a bola se inflasse de raiva por “apanhar” de pés cada vez mais coloridos e menos habilidosos e marotamente parasse na trave santista.

Ou talvez ela fizesse uma curva maluca, desejando ir embora daquele lugar onde era tão maltratada e saísse pela bandeirinha de escanteio.

Mas com Ronaldo, a coisa é diferente.

Mesmo se ele tivesse colocado um pouquinho mais de força ela arranjaria um jeito de diminuir a velocidade e acabar no fundo do gol. Por pura e simples gratidão.

Não tem jeito: o amor entre eles é recíproco!

Ronaldo, mesmo acima do peso, continua apaixonado pela bola. E ela, correspondendo, ama demais o Fenômeno.

Sorte a nossa!


Fale com o colunista: gustavo@terceirotempo.com.br


 
www.giginarede.com.br - Todos os direitos reservados © 2009