Lista dos clubes amadores da Baixada Santista
 
 
Santos é tri da Libertadores  
Duelo entre Neymar e Messi  
Muricy mereceu o título  
Neymar faz história na Vila  
Neymar e Ganso até 2015  
Ver todas as notícias  
 
Renan Prates Renan Prates
Timão, na moral
 
Pepe

José Macia Pepe
Bombas de alegria

 

 
Ednilson Valia Ednilson Valia
Amor corintiano
 

Gustavo Grohmann

Gustavo Grohmann
Messi na Copa
 
global Coluna do Leitor
Homenagem ao Pelé
 
     
 
 
Ver todos os colaboradores
  Gustavo Grohmann Futebol

Gustavo Grohmann

Editor do site Milton Neves desde 2005. Passou pelas TVs Cultura e Record e pelo Diário do Grande ABC.

E-mail: gustavo@terceirotempo.com.br




  Ronaldo: a cereja do bolo!
 
Arquivos

Bando de hipócritas
Toques rápidos
Respeito ao craque
A cereja do bolo
Nem tanto ao céu
O Fenômeno
Real Madrid
Torcida única
Fala sério Timão
Acabaram as férias
Pra que falar, Jr?
SP x Vitória
Prendam o agressor
Parabéns, Silas!
Holanda x Alemanha
Messi na Copa

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Desde quando o Corinthians anunciou a bombástica contratação de Ronaldo, o Fenômeno passou a ser o “carro-chefe” do Timão, seja nas mesas redondas esportivas ou nas conversas de bar com os amigos.

É Ronaldo pra cá, Dentuço pra lá, Fenômeno aqui, Gordo acolá... E convenhamos: é complicado fugir desse lugar comum quando o maior artilheiro da história das copas volta a jogar em seu país, uma terra tão carente de ídolos (em qualquer área). Ainda por cima no Corinthians, o time com a segunda maior torcida do Brasil.

É válido sim, e temos até o dever de exaltar Ronaldo. Mas não podemos esquecer que o Fenômeno não joga sozinho, mas com outros 10 companheiros. Sem falar no treinador, comissão técnica e diretores, que não entram em campo, mas têm sua devida importância.

Após um ano de calvário na Série B, passando ainda pela desastrosa perda da Copa do Brasil para o Sport, finalmente Mano Menezes conseguiu acertar sua equipe. Hoje o Corinthians tem aquele chamado “padrão de jogo” e, salvo algum imprevisto, todos os torcedores têm na ponta da língua os 11 mosqueteiros titulares.

Felipe é um bom goleiro. Não é espetacular, mas é o melhor que o Corinthians já teve na “era pós-Dida”. Alessandro ressurgiu das cinzas e está jogando muito na lateral-direita do Timão. Na esquerda, André Santos alterna bons e maus momentos. Nos “bons” ele é excelente e nos “maus” não deve futebol para os laterais titulares de outras grandes equipes do país.

Chicão e Willian tornaram a zaga do Corinthians, problemática em outros anos, um tipo de “porto seguro”. A boa técnica de Chicão garante sucesso na defesa mesmo quando o experiente Willian não está em campo (é geralmente substituído pelo jovem Diego). Sem falar nos gols do camisa 3, de falta ou pênalti, que já salvaram o Timão em mais de uma oportunidade.

Outros dois que estão arrebentando no Parque São Jorge são os meio-campistas Cristian e Elias. Ambos estão jogando muita bola, lembrando os melhores momentos de Josué e Mineiro na campanha que culminou com o terceiro título mundial do São Paulo, em 2005, e deixando claro que o futebol atual não tem espaço para os tais “volantes botinudos”.

Na frente, o jovem Dentinho (a verdadeira revelação do Timão), com sua velocidade, sua boa pontaria e seus dribles rápidos, vem fazendo a diferença por um lado do campo, enquanto pelo outro o bom Jorge Henrique (e como ele lembra o Romário – só no “andar”, é claro!) vem cumprindo seu papel tático com grande eficiência.

Fora das quatro linhas, o marketing do Corinthians está fazendo muito bem o seu papel. Além disso, parece que finalmente o presidente Andrés Sanches entendeu que entrar em polêmicas com seus adversários não ajuda em nada sua equipe na busca por títulos.

E o Ronaldo? Bom... Pra mim, o Fenômeno é a cereja do bolo (e que cereja!?) que coloca de vez o Corinthians ao lado de Inter (RS), São Paulo, Cruzeiro e Palmeiras na disputa pelo título brasileiro de 2009.


 
www.giginarede.com.br - Todos os direitos reservados © 2009